1 de fevereiro de 2017

Myanmar tem 2000 templos, pescadores bailarinos e mulheres girafa

Nada foi tão marcante na minha infância cultural quanto uma reportagem da National Geographic com os pescadores bailarinos em Inle Lake, no país asiático Myanmar, também conhecido por Birmânia. A dança da pesca, em suas redes de formato cônico pareciam ser algo único, algo que algum dia eu teria que conhecer.

Pescadores bailarinos em Inle Lake, Myanmar

Pescadores bailarinos em Inle Lake, Myanmar

Passaram-se 30 anos, e lá fomos nós, a realizar um sonho de infância. Estávamos em 4, todos animadíssimos com a aventura no país da maravilhosa Aung San Suu Kyi (ver The Lady, no Netflix).

Depois de uma longa viagem via Abu Dhabi (sem o mesmo conforto que as garotas nova-iorquinas de Sex and the City tiveram), chegamos em Yangon, uma cidade com algum charme colonial esquecido e muita confusão dos tempos modernos. Comida de rua, trânsito caótico, caixas automáticos que não funcionam e uma mistura de cores e sabores por onde passávamos.

Shwedagon Pagoda, em Yangon, Myanmar

Shwedagon Pagoda, em Yangon, Myanmar

O ponto alto da cidade, é a Shwedagon Pagoda, primeiro centro religioso da Birmânia por conter oito cabelos do Buda. A principal estupa, de 98m, é toda finalizada em ouro. Além disso, tem os outros 64 outros pagodes, em menor escala, mas não menos impressionantes.

Do lado mais mundano, falando de vida gay… Que vida gay?

Não se acha referências do tema, embora claramente não reste dúvidas que o mudo acabe no fim de um grande arco-íris.

Antonio era a coisa mais gay de Shwedagon Pagoda, em Yangon, Myanmar

Antonio era a coisa mais gay de Shwedagon Pagoda, em Yangon, Myanmar

 

O segundo capítulo da viagem a Myanmar: Bagan!

Região dos 2000 templos, em Myanmar, na Ásia

Região dos 2000 templos, em Myanmar, na Ásia

A região dos 2000 templos, onde a temperatura bate fácil os 45 graus ao longo do dia. Muito mais turística e recém afetada por um grande terremoto, tem um encanto único, um charme avassalador.

Nos dois dias que passamos lá, percorremos de bicicleta os templos, escalando alguns, conhecendo outros por dentro, sempre encantados com a gentileza do povo birmanês.

Casas de palafita em Bagan, Myanmar.

Casas de palafita em Bagan, Myanmar.

No hotel, lindeiro ao grande rio, aos final de tarde aproveitávamos a piscina e massagem (essa sem grandes emoções ou seja lá o que vocês pensaram). O grande barato da viagem com certeza foram as bikes. Passeio divertido entre amigos, num lugar inóspito sempre rende boas lembranças.

A terceira parte do roteiro, e muito aguardada, Inle Lake. Ansiosos pelo hotel em palafitas, pelas mulheres girafa, pelos pescadores dançarinos, teares de tecido em papiro. Nada decepcionou! Todas as comunidades da região distribuídas em pequenos bairros em palafitas, digno de serem retratadas em livros de arquitetura.

Mulheres girafa em Bagan, Myanmar

Mulheres girafa em Bagan, Myanmar

Nas mulheres girafa que eu tanto tinha preconceito (ai que dor!), encontramos uma beleza rara dentro da cultura deles. Algo que não diminui e, ao contrário, é símbolo de graciosidade extrema, cultuado por todos em sua máxima delicadeza. Óbvio que há 10km da margem mais próxima, vida gay seria algo difícil de encontrar. Impossível! E sem grandes expectativas no tema, continuamos nosso roteiro ao Laos e Camboja, mas esses são temas de um outro texto. 🙂

 

>> Acompanhe o Viaja Bi!: Instagram, YouTube, Snap (👻rafaleick 👻viajabi), Facebook e Twitter.

Hospedagem | Seguro Viagem | Câmbio | Aluguel de carro

Compartilhe:
Tags:

Sobre Antonio & André

Antonio & André

Antonio e André são colunistas do Viaja Bi!. Querem conhecer ao menos 100 países. Colecionam imãs de geladeira e pontos em cias. aéreas, dormiram no Saara, em hotel de gelo e em barraca no Monte Roraima. Antonio gosta de grandes cidades e de aventura. André tem o Japão como seu destino preferido. Buscam os melhores shots entre auroras boreais, soukis e Shibuyas ao redor do mundo. Todos os posts do Antonio & André.

  • Instagram
  • Email

Comentar

Ut tellus dolor, dapibus eget, elementum vel, cursus eleifend, elit. Aenean auctor wisi et urna. Aliquam erat volutpat. Duis ac turpis. Integer rutrum ante eu lacus. Required fields are marked*